Surto Psicótico Breve: Causas, sintomas, tratamentos e muito mais!

Transtorno psicótico breve (Surto Psicótico)

Públicado em: 29 de janeiro de 2020

Última Atualização em: 8 de outubro de 2021

Um breve distúrbio psicótico é uma condição psiquiátrica incomum caracterizada por períodos repentinos e temporários de comportamento psicótico, como delírios, alucinações e confusão.

Os sintomas podem durar apenas um dia ou até um mês, mas podem ser graves o suficiente para colocar a pessoa em risco aumentado de comportamento violento ou suicídio .

A maioria dos casos ocorre pela primeira vez quando um indivíduo está na casa dos 20 ou 30 anos, embora o início possa ocorrer em qualquer idade.

O distúrbio psicótico breve é ​​diferenciado de outros distúrbios nos quais a psicose ocorre por sua duração limitada e não é desencadeada por drogas ou abuso de álcool .

Na maioria dos casos, um breve distúrbio psicótico não indica a presença de uma condição crônica de saúde mental.

O que é caracterizado como transtorno psicótico breve?

O transtorno psicótico breve pode ser caracterizado como uma síndrome psicótica que apresenta o início súbito de, ao menos, um sintoma psicótico, que pode durar no mínimo um dia e no máximo um mês.

Esse sintoma psicótico pode aparecer de forma relativamente sutil ou muito intensa. Ele pode ser uma linguagem incoerente, delírios, alucinações, comportamento bizarro, etc.

Nesta síndrome psicótica é muito comum que o sujeito apresente uma redução em suas capacidades mentais e cognitivas, além de demonstrar uma carga emocional muito intensa e descompassada.

O que pode causar um surto psicótico?

Frequentemente, a causa é uma doença mental grave, como esquizofrenia, distúrbio bipolar, depressão maior, distúrbio delirante, além de ser um sintoma transitório de uma variedade de transtornos de personalidade. Alguns se tornam psicóticos por usar drogas ilegais, como sais de banho.

Transtorno psicótico breve tratamento

O tratamento do transtorno psicótico breve se dá por meio do acompanhamento do médico psiquiatra. Este poderá prescrever medicamentos, se houver necessidade, de acordo com as singularidades do paciente.

Além disso, pode ser necessária a internação do sujeito até que os sintomas psicóticos desapareçam e ele possa ter a sua vida normal restabelecida.

Essa internação é muito importante para garantir a integridade, saúde e bem-estar do sujeito, tendo em vista que ele poderá provocar efeitos nocivos contra si e contra terceiros, uma vez que suas faculdades mentais possam estar ligeiramente afetadas. 

Se você tem algum familiar que tenha apresentado sintomas psicóticos, busque ajuda em uma clínica psiquiátrica e dê esse passo rumo ao tratamento adequado.

Transtorno psicótico agudo – o que é?

O transtorno psicótico agudo recebe a mesma caracterização que o breve. Ou seja, é um episódio no qual um indivíduo saudável começa a apresentar um ou mais sintomas psicóticos, por no máximo 30 dias. A nomenclatura “breve” é usada no DSM V, enquanto que a “agudo” é utilizada no CID-10.

Transtorno psicótico breve tem cura?

O transtorno psicótico breve, como o próprio nome nos dá a entender, perdura por um período específico, não ultrapassando 30 dias de sintomas psicóticos. Isso quer dizer que não se trata de uma doença crônica e sem cura, e pode sim receber tratamento até que os sintomas desapareçam de vez e o sujeito recupere a sua lucidez. 

Sendo assim, podemos dizer que há cura para o transtorno psicótico agudo, afinal, quando pensamos em uma doença “aguda”, estamos diante de um aparecimento súbito que, depois de alguns dias, pode desaparecer (com o tratamento adequado, em algumas situações), como o caso de um resfriado, por exemplo.

Transtorno psicótico breve CID-10

Na classificação F23 do CID-10, podemos encontrar algumas subcategorias que classificam o transtorno psicótico breve. Conheça cada uma delas:

  • CID 10 – F23: Transtornos psicóticos agudos e transitórios;
  • CID 10 – F23.0: Transtorno psicótico agudo polimorfo, sem sintomas esquizofrênicos;
  • CID 10 – F23.1: Transtorno psicótico agudo polimorfo, com sintomas esquizofrênicos;
  • CID 10 – F23.2: Transtorno psicótico agudo de tipo esquizofrênico (schizophrenia-like);
  • CID 10 – F23.3: Outros transtornos psicóticos agudos, essencialmente delirantes;
  • CID 10 – F23.8: Outros transtornos psicóticos agudos e transitórios;
  • CID 10 – F23.9: Transtorno psicótico agudo e transitório não especificado.

A avaliação médica psiquiátrica é fundamental para que o diagnóstico seja o mais preciso e adequado possível.

Transtorno psicótico breve DSM V

No DSM-V, é possível encontrar informações acerca do Transtorno psicótico breve na classificação 298.8. 

Qual transtorno psicótico é mais comum?

Atualmente, a esquizofrenia tem sido caracterizada como um transtorno psicótico comum. Ou seja, sua recorrência é relativamente alta. Entretanto, o transtorno psicótico breve ou agudo não costuma ocorrer com tanta frequência.

Qual quadro é apresentado pelo transtorno psicótico breve?

Segundo o DMS-V, o quadro de transtorno psicótico breve consiste na presença dos seguintes sintomas:

  • 1. Delírios.
  •  2. Alucinações.
  •  3. Discurso desorganizado (p. ex., descarrilamento ou incoerência frequentes).
  •  4. Comportamento grosseiramente desorganizado ou catatônico.

Vale ressaltar que esses sintomas devem perdurar por, ao menos, um dia, e menos de 30 dias. Se durar mais de um mês, é necessário reavaliar o caso para analisar se há a presença de uma psicose no indivíduo.

Fatores de risco do transtorno psicótico breve

Algumas pessoas podem apresentar uma breve predisposição para o desenvolvimento desse quadro. Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, os fatores de risco são os seguintes:

  • Transtornos e traços de personalidade preexistentes (p. ex., transtorno da personalidade esquizotípica, transtorno da personalidade borderline ou traços de psicoticismo,como desregulação perceptiva, e no domínio da afetividade negativa, como desconfiança) podem predispor o indivíduo ao desenvolvimento do transtorno.

O que está presente nas psicoses?

Nas psicoses está presente a confusão mental para compreender o que é real e o que não é. A mente do indivíduo pode ficar perturbada por alucinações e delírios, o que pode levá-lo a comportamentos bizarros e fora do comum.

Além disso, o aspecto cognitivo também sofre alterações, que podem ocasionar comportamentos de risco e, em alguns casos, a pessoa pode até apresentar um tipo de agressividade.

Por isso que o acompanhamento médico é fundamental e a busca por ajuda em uma clínica psiquiátrica é tão importante.

O que é transtorno psicótico induzido por substância

Esse transtorno é caracterizado pela presença de sintomas psicóticos em decorrência do consumo de drogas ou medicamentos psicoativos. É o caso de drogas como o LSD, por exemplo, que causa alucinações e delírios, levando o sujeito a um súbito quadro de psicose.

No caso do transtorno psicótico induzido por substância, este não se caracteriza como breve ou agudo. Ou seja, se há uma causa relacionada ao uso de substâncias químicas, automaticamente o quadro receberá outro diagnóstico por parte do médico psiquiatra.

Nesse caso, o surto psicótico requererá um atendimento especializado, por clínicas de reabilitação, que trabalharão a desintoxicação do sujeito até que este esteja com suas habilidades sociais restabelecidas e pronto para voltar à vida normal.

Se você tem algum familiar, amigo, conhecido ou se você mesmo tem vivido os sintomas psicóticos há mais de um dia, busque ajuda em uma clínica especializada no assunto. Não tenha vergonha de buscar ajuda para a saúde mental! Afinal, trata-se de uma questão de saúde como qualquer outra.

Quanto tempo leva para a pessoa volta ao normal de um surto psicótico?

Transtorno psicótico breve – os sintomas psicóticos duram pelo menos 1 dia, mas não mais que 1 mês. Geralmente ocorre em resposta a um evento estressante da vida. Depois que os sintomas desaparecem, eles podem nunca mais voltar .

Um breve distúrbio psicótico por definição, dura menos de um mês, após o qual a maioria das pessoas se recupera completamente.

É raro, mas para algumas pessoas, pode acontecer mais de uma vez. Se os sintomas durarem mais de 6 meses, os médicos poderão considerar um possível diagnóstico de esquizofrenia.

Quais os sintomas do distúrbio psicótico?

Os sintomas de um distúrbio psicótico breve podem incluir:

  • Delírios e alucinações
  • Mudanças repentinas e extremas de humor
  • Fala sem sentido ou desordenada
  • Comportamento desorganizado

A maioria das pessoas que desenvolve um breve distúrbio psicótico experimenta apenas um episódio e é capaz de retomar todas as atividades sem sintomas permanentes ou comprometimento.

Pessoas com certos transtornos de personalidade têm um risco elevado de sofrer um breve episódio psicótico , assim como aqueles que sofreram trauma ou estresse grave.

Transtorno psicótico breve não é diagnosticado se um transtorno de humor psicótico, transtorno esquizoafetivo, esquizofrenia, distúrbio físico ou efeito adverso de um fármaco (prescrita ou ilícita) explicar melhor os sintomas.

A diferenciação entre transtorno psicótico breve e esquizofrenia em paciente sem quaisquer sintomas psicóticos prévios se baseia na duração dos sintomas; se a duração exceder 1 mês, o paciente não preencherá mais os critérios diagnósticos necessários para transtorno psicótico breve.

O tratamento do transtorno psicótico breve é semelhante ao tratamento de exacerbação aguda da esquizofrenia; supervisão e tratamento de curto prazo com antipsicóticos podem ser necessários.

O diagnóstico de breve distúrbio psicótico é geralmente reavaliado se os sintomas persistirem por mais de um mês.

Surto psicótico breve: Causas

A causa do breve distúrbio psicótico não é clara, mas um grande estresse ou trauma – como a morte de um ente querido, agressão ou desastre natural – pode desencadear um episódio.

Assim como outros distúrbios no espectro psicótico, pode haver uma base genética, biológica, ambiental ou neurológica para esse episódio.

Anormalidades neurológicas foram encontradas em pessoas com distúrbios psicóticos; alguns parecem estar presentes antes que os sintomas apareçam pela primeira vez, enquanto outras anormalidades foram registradas após o início dos sintomas. Um breve distúrbio psicótico tende a ocorrer nas famílias.

Qual o tratamento do distúrbio psicótico?

Geralmente, um profissional médico ou psiquiátrico entrevistará a pessoa para descartar qualquer outra condição de saúde física ou mental que exista simultaneamente ou possa estar causando os sintomas.

Medicamentos antipsicóticos e, se necessário, antidepressivos podem ser prescritos para ajudar a controlar os sintomas, e a pessoa pode precisar ser supervisionada o tempo todo para garantir que não prejudicam a si mesmos ou a outras pessoas.

A psicoterapia de curto prazo pode ajudar uma pessoa a entender e se recuperar de um breve distúrbio psicótico, gerenciar seus medicamentos e aprender a lidar com o estresse.

Aqueles que não procuram tratamento após um primeiro episódio psicótico são mais propensos a ver uma recorrência futura de breve distúrbio psicótico ou a serem posteriormente diagnosticados com um distúrbio crônico no espectro psicótico.

O que fazer se alguém com sintomas psicóticos recusar tratamento?

Como a esquizofrenia e outros distúrbios psicóticos afetam o cérebro, a pessoa com sintomas geralmente não os reconhece como incomuns e pode recusar o tratamento.

Se os sintomas não forem muito graves e a pessoa recusar o tratamento, pode não haver nada que você possa fazer além de permanecer em contato e tentar apoiá-la.

Aqui estão algumas maneiras de abordar alguém que recusa o tratamento:

  • Seja você mesmo. Isso ajudará a pessoa a confiar em você e, talvez, ouvir suas sugestões.
  • Dê a si e à pessoa espaço emocional e físico. Evite tocar na pessoa sem permissão, mesmo para dar conforto. Se a pessoa se tornar hostil ou agressiva, sugira um período de reflexão, enfatizando que você planeja retornar ao problema em questão quando todos estiverem mais calmos. Deixe-se um caminho de fuga se a pessoa estiver agitada.
  • Calma, mas com firmeza, sugira que leve a pessoa a um médico, terapeuta, assistente social ou conselheiro para avaliação. Não enfrente recusas ou discuta, mas continue ouvindo e reiterando sua sugestão. Pode ser útil sentar-se ou ficar ao lado da pessoa enquanto discute isso, em vez de ficar cara a cara.
  • Vá com a pessoa ao médico ou centro de saúde mental para fornecer informações sobre quando os sintomas começaram e quais medicamentos ela está tomando e para responder a outras perguntas. Em uma crise, a pessoa doente pode não ser capaz de responder claramente a essas perguntas; portanto, sua contribuição é valiosa.

Se a pessoa ameaçar a violência ou se tornar violenta, especialmente se houver histórico de violência, peça ajuda à polícia, conforme necessário.

Lembre-se de que a doença de seu ente querido pode fazer com que ele aja de uma maneira que não reflete seus verdadeiros sentimentos ou desejos.

Links úteis

Conteúdo relacionado:

Surto psicótico tratamento emergencial

Drogas psicoativas: O que são substâncias psicoativas?

15 Maneiras de ajudar uma pessoa com crise de ansiedade

Tipos de transtornos mentais e comportamentais

Referências

Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-V. Disponível em: <https://www.niip.com.br/wp-content/uploads/2018/06/Manual-Diagnosico-e-Estatistico-de-Transtornos-Mentais-DSM-5-1-pdf.pdf> Acesso em 08 out. 2021.

Medicina Net – CID-10. Disponível em <https://www.medicinanet.com.br/cid10/1524/f23_transtornos_psicoticos_agudos_e_transitorios.htm> Acesso em 08 out. 2021.

Psicose: Tipos, sintomas e tratamento. Disponível em <https://www.vittude.com/blog/psicose/> Acesso em 08 out. 2021.

Revisado por: Camila Da Silva: Psicóloga (CRP12/17354)
Confira mais novidades em nosso blog: https://interhelpinternacao.com.br/blog

Acesse nosso site: www.interhelpinternacao.com.br 
FALE CONOSCO: 0800 500 9945

5/5 - (1 vote)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *