Como funciona um programa de prevenção de recaída?

Como funciona um programa de prevenção de recaída?

Públicado em: 5 de fevereiro de 2020

Última Atualização em: 27 de novembro de 2021

Um plano de prevenção de recaídas é uma maneira de identificar e reduzir os riscos associados à recaída, o que ajuda as pessoas a permanecerem em recuperação por períodos mais longos.

Aprender como fazer um plano de prevenção de recaídas e passar pelo processo de criação de um plano de prevenção de recaídas pode ser a diferença entre períodos mais longos de sobriedade e recaídas repetidas.

Um plano de prevenção de recaídas é uma ferramenta vital para qualquer pessoa em recuperação. Ter um plano ajuda a reconhecer seus próprios comportamentos pessoais que podem apontar para uma recaída no futuro. Ele também descreve maneiras de combater esses comportamentos e voltar aos trilhos.

Na maioria das vezes, um plano de prevenção de recaídas é um documento escrito que uma pessoa cria com sua equipe de tratamento e compartilha com seu grupo de apoio. O plano oferece um curso de ação para responder a gatilhos e desejos.

A recaída geralmente não é um evento do momento. Normalmente , é um processo de três partes , incluindo:

  • Recaída emocional
  • Recaída mental
  • Recaída física

Com um plano de prevenção de recaídas, é possível reconhecer e agir sobre certos sentimentos e eventos, evitando uma recaída física (que é o estágio em que alguém volta ao uso de drogas ou álcool).

Como ajudar um dependente químico que recaiu?

Primeiramente, não julgue o dependente. Ele não recaiu por uma simples “falta de interesse na recuperação”. Não é assim que funciona.

É possível, inclusive, que o dependente químico esteja se sentindo um fracassado, o que gera muita vergonha. Portanto, nada de ser alguém que o acusa! Ele sabe que a recaída não é benéfica. Ficar repetindo isso apenas deixará a situação mais pesada e tensa.

Sendo assim, foque em ser uma pessoa empática e demonstre suporte. Apresente-se como uma pessoa que está ao lado do dependente a todo momento, pronto para ajudá-lo. 

Converse com ele e permita que o dependente fale sobre sua frustração e vergonha. Escute-o atentamente. 

Se perceber que ele está relutando para voltar ao “caminho” do tratamento, talvez seja o momento de intervir – especialmente se a recaída for persistente e o consumo de substância química colocar a vida do indivíduo em risco. Aqui, buscar apoio em uma clínica e até optar pela internação pode ser interessante.

Mas, se for uma situação pontual, incentive os cuidados com a saúde mental e tente evitar todos os gatilhos ambientais e sociais que podem provocar a recaída. Por exemplo: jogando fora toda a bebida alcoólica que há em casa.

Ademais, cogite ainda buscar ajuda para você, por meio das clínicas de reabilitação. Lá você poderá receber instruções mais alinhadas ao seu caso.

Quais tipos de exercícios de prevenção a recaída?

Existem diversos tipos de exercícios de prevenção a recaída. Os terapeutas irão implementar exercícios diversos, de acordo com a situação subjetiva de cada indivíduo dependente. Veja um exemplo de um tipo de exercício que pode ser implementado:

  • Exercício do Quadro Global: De um lado do quadro, o dependente deverá colocar todos os aspectos “positivos” envolvidos com o consumo da droga. Por exemplo, prazer, esquecer um problema, etc. Em contrapartida, do outro lado do quadro ele colocará os pontos negativos, como por exemplo, problemas com a família, doenças, etc. Assim, ele terá uma visão mais global da própria situação e terá fatores concretos que contribuem para um maior controle do consumo da droga.

Quais são os principais sinais de recaída dependência química?

São diversos os sinais que podem ser percebidos em um dependente em recuperação que está prestes a viver uma recaída (ou já está vivendo). Veja alguns:

  • Desonestidade: O dependente começa a demonstrar episódios de desonestidade. Ou seja, diz que irá para um lugar, mas não vai. Além disso, ele pode esconder bebida dentro de casa, e mesmo quando questionado, demonstra não saber do que se trata.
  • Agressividade: A agressividade também pode aparecer, especialmente quando o dependente acaba sendo confrontado pela família. Isso é uma forma natural de autodefesa, e pode ser um dos principais sinais da recaída.
  • Euforia: O indivíduo, de uma hora para outra, tenta demonstrar que está muito feliz e realizado com os seus resultados. Porém, esse comportamento surge de uma forma absolutamente abrupta, demonstrando que pode ser uma verdadeira “máscara”. Ou seja, talvez ele não esteja realmente contente com os resultados, mas sim, disfarçando a recaída.
  • Desculpas e vitimismo: Se antes o sujeito não demonstrava esse tipo de comportamento, fique atento quando aparecer… Se ele demonstra uma autopiedade imensa, dizendo que não é forte e criando desculpas para a sua dependência, fique de olho! Pode ser que ele esteja tentando justificar a sua potencial recaída.

Esses são apenas alguns dos sinais. Porém, qualquer mudança abrupta no comportamento ou no emocional pode nos deixar mais alertas. 

Além disso, procure sempre manter uma comunicação próxima da pessoa que está vivendo o processo de reabilitação. Afinal, ela precisa confiar em você para conseguir se abrir e assim se sentir mais à vontade na hora de admitir a situação na qual ela está vivendo.

O que podemos fazer para prevenir o uso das drogas?

Prevenir o uso das drogas pode ser ainda mais eficiente e promissor do que trabalhar apenas a recuperação. Não que esta segunda não seja efetiva, mas, a prevenção sempre será melhor do que o remédio, concorda?

Sendo assim, atente-se as dicas abaixo:

  • Aprenda a dizer não: Infelizmente, muitas pessoas acabam entrando no mundo das drogas por, simplesmente, haver uma certa dificuldade na hora de dizer “não” para alguém. Parece que o “não” é visto como falta de educação, o que não é verdade. Dizer “não” para algo é mostrar o nosso respeito pela outra pessoa e, além disso, demonstrar o respeito que temos por nós mesmos! Portanto, se alguém oferecer algum entorpecente, posicione-se e diga não.
  • Escolha bem o seu círculo social e os ambientes que você frequenta: Embora o “não” possa bastar em algumas situações, estar inserido em contextos nos quais o consumo de droga é recorrente, pode ser prejudicial na hora de prevenir o problema. Portanto, atente-se ao grupo social no qual você está inserido e cuidado com os locais nos quais você frequenta.
  • Invista em hábitos saudáveis: Cuide da sua mente e do seu corpo. Isso pode ajudar a manter a sua saúde em dia e, assim, proporcionar mais bem-estar e qualidade de vida, evitando a entrada no mundo das drogas como uma forma de “escape” para os problemas.

Como saber qual o melhor plano de ação para dependentes químicos?

Não existe um único e melhor plano de ação para dependentes químicos. Cada situação poderá apresentar necessidades específicas. Por isso, a avaliação profissional é extremamente importante nesses casos.

A equipe multidisciplinar poderá:

  • Traçar um tratamento medicamentoso adequado.
  • Analisar qual o melhor tipo de terapia.
  • Oferecer psicoterapia.
  • Apresentar exercícios adequados para a realidade do paciente.
  • Reduzir os danos.
  • Entre outras variáveis.

Por isso, o melhor a se fazer é sempre buscar ajuda de quem entende do assunto. Converse com um profissional da saúde que possa amparar você e lhe ajudar a encontrar o melhor caminho. 

As clínicas de reabilitação, nesse caso, podem ser bem-vindas para esse objetivo.

Etapas para criar um plano de prevenção de recaídas

Embora você possa criar um plano de prevenção de recaídas por conta própria, pode ser útil percorrer o processo com alguém que tenha conhecimento do tópico, como um conselheiro de abuso de substâncias.

Os planos de recaída podem ser verbalizados, mas também podem ser escritos para ter um esboço mais claro de quais medidas a serem tomadas, caso uma recaída pareça ser uma possibilidade.

Independentemente disso, é importante considerar os seguintes itens ao criar um plano de prevenção de recaídas.

1. Avalie sua história com drogas e álcool

Algumas perguntas a serem feitas ao criar um plano de prevenção de recaídas incluem:

  • Houve algum tempo em que você estava mais propenso ao uso de substâncias?
  • Fez fator específicos pessoas nas vezes que você usou ?
  • Quais padrões de pensamento aumentam a probabilidade de você usar?
  • Por que você teve uma recaída antes?

Determinar o que causou uma recaída anterior é vital para evitá-las no futuro.

2. Determine quaisquer sinais que possam levar à recaída

Tente fazer um brainstorming de uma lista de cenários que podem levar a uma possível recaída e listar os sinais de alerta da recaída.

Algumas pessoas começam a sentir, pensar ou se comportar de maneira diferente quando uma recaída está se formando.

Criar uma lista de sinais de alerta pode dar a uma pessoa mais informações sobre sua recaída. Compartilhar a lista com a equipe de tratamento pode fornecer as informações necessárias para evitar recaídas no paciente.

3. Estabelecer um plano de ação

Crie um plano de ação de prevenção de recaídas para o que fazer em vez de recorrer a drogas ou álcool. Por exemplo, se passar por um rompimento pode levar a uma recaída, pense em outras saídas para sua dor e frustração.

Em vez de beber ou usar, planeje participar de uma reunião de suporte ou ligue para um membro da família ou amigo próximo imediatamente.

Quanto mais específico for o seu plano de ação, melhor, pois isso significa que você terá menos chances de chegar perto de uma recaída.

Saiba quem você ligará primeiro, o que irá pedir a eles e se comparecerá a uma reunião ou retornará à reabilitação.

Quanto mais detalhado for esse plano, maior a probabilidade de você voltar aos trilhos rapidamente. Certifique-se de que as pessoas incluídas no seu plano tenham o conhecimento necessário, caso precise da assistência deles.

O que incluir em um modelo de plano de prevenção de recaídas

Embora os planos de prevenção de recaídas sejam exclusivos para cada indivíduo, existem componentes específicos que são úteis para incluir em um plano final.

1. Gatilhos

Primeiro, liste as pessoas, lugares e coisas que têm o potencial de levar a uma recaída. Os gatilhos de recaída são tudo o que pode levar ao uso de drogas ou a beber novamente.

Pode não ser possível listar todos os gatilhos em potencial e, às vezes, você não o conhecerá até que ele já esteja na sua frente. As seguintes perguntas podem ser úteis ao identificar gatilhos:

  • Quem eu poderia ver que me lembraria o uso de drogas?
  • Em que lugares usei drogas que poderiam me desencadear?
  • Que pensamentos viciantes poderiam me fazer recair?
  • O que posso fazer se não puder evitar coisas que me desencadeiam?
  • Aniversários ou épocas do ano desencadeiam recaídas?
  • Que sentimentos estão ligados à recaída?

2. Como gerenciar os desejos

A frase  desejos  é usada para se referir ao sentimento que alguém tem quando deseja usar novamente. Às vezes, os desejos podem levar a uma recaída. No entanto, se você tiver um plano sólido para enfrentar esses desejos, uma recaída não estará no radar.

Compile uma lista de quem você pode chamar se sentir desejos, o que você pode fazer para se distrair dos desejos e como você pode parar completamente um desejo.

O uso de substâncias é uma habilidade negativa de enfrentamento, portanto, habilidades saudáveis ​​de enfrentamento evitarão recaídas e resultarão em resultados positivos a longo prazo.

3. Ferramentas preventivas

Compile uma lista de ferramentas de prevenção de recaídas que foram úteis em sua recuperação. Pense no que você pode fazer em vez de usar e como essas atividades podem levá-lo de volta ao caminho certo. Alguns exemplos de tais ferramentas incluem:

  • Escrevendo uma lista de consequências caso você recaia
  • Participando de uma reunião de suporte
  • Exercício
  • Diário
  • Escrever uma lista de gratidão

As pessoas também podem ser ferramentas preventivas. Entrar em contato com as pessoas de apoio em sua vida pode ter um tremendo impacto nos desejos e recaídas.

4. Grupos e Programas de Suporte

Ao enfrentar uma recaída, pode ser útil reinvestir energia e tempo em grupos de apoio . Pode-se revisitar as 12 etapas e avaliar seu lugar. É também aqui que um patrocinador entra em jogo.

Se você tem um patrocinador, ele deve ser uma das primeiras pessoas a quem recorrer, se você sentir que uma recaída é uma possibilidade. Como eles provavelmente estão no seu lugar, eles podem ter algumas idéias e sugestões.

Muitas opções de grupos de suporte existem fora do modelo de 12 etapas , portanto, não deixe que experiências ruins atrapalhem sua recuperação. Explore novas opções para se conectar com novas pessoas que entendem as lutas do vício.

5. Mudanças no estilo de vida

Os planos de prevenção de recaídas podem incluir maneiras pelas quais você espera alterar o vício em danos causado em sua vida. Separar esses danos em áreas como relacionamentos, questões jurídicas, questões financeiras ou educação pode ajudá-lo a recuperar o insight do motivo pelo qual decidiu ficar sóbrio em primeiro lugar e a motivar a fazer escolhas positivas.

Com o passar do tempo, pode ser importante revisar seu plano de prevenção de recaídas. Os componentes que você reconheceu em seu plano no início de sua reabilitação em em centro de recuperação para dependentes químicos têm o potencial de mudar e se desenvolver ao longo do tempo, assim como as pessoas em seu sistema de suporte.

Isso pode ser feito sozinho ou com um profissional. As necessidades de cada indivíduo variam, por isso é importante avaliar onde você está em sua recuperação e ser honesto consigo mesmo .

Modelos de prevenção de recaídas

Assim como existem inúmeras visões sobre a natureza humana e vários modelos de terapia , existem diferentes visões sobre a prevenção de recaídas. Esses modelos de prevenção de recaídas oferecem uma visão única do processo.

Modelo de Prevenção de Recaídas Gorski-Cenaps

Terry Gorski é um especialista reconhecido internacionalmente no campo do abuso de substâncias, saúde mental, violência e crime.

Dentro de seu modelo, ele declara os nove passos seguintes a serem imperativos no desenvolvimento de um modelo CENAPS de prevenção de recaídas ou um plano de prevenção de recaída de Gorski :

  1. Auto-regulação: estabilização física, psicológica e social
  2. Integração: Concluindo uma Autoavaliação
  3. Compreensão: Educar-se sobre sinais de recaída e métodos de prevenção
  4. Autoconhecimento: Identificando sinais de alerta para quando você provavelmente recairá
  5. Habilidades de enfrentamento: gerenciar esses sinais de alerta de maneira eficaz
  6. Alteração: revisando o plano de recuperação
  7. Consciência: é adquirida através da prática e consistência
  8. Apoio: O envolvimento de outras pessoas significativas
  9. Manutenção: Um plano abrangente de acompanhamento

Modelo de Marlatt de prevenção de recaídas

Dr. Gordon Alan Marlatt, professor de psicologia da Universidade de Washington, fundou esse modelo de recaída centrado em situações de alto risco.

O Modelo de Marlatt ilustra como as influências tônicas (estáveis) e fásicas (de curta duração) interagem entre si, a fim de avaliar a probabilidade de uma recaída.

A diferença entre essas duas variáveis ​​é que os processos tônicos representam o grau de suscetibilidade à recaída.

Referências

Modelos de Prevenção e Prevenção a Recaída. Disponível em: <http://proedu.rnp.br/bitstream/handle/123456789/1414/Modelos%20de%20Prevencao%20de%20Recaidas.pdf?sequence=1&isAllowed=y> Acesso em 26 nov. 2021.

Top 10 Tips to Prevent Relapse. Disponível em: <https://www.peacevalleyrecovery.com/blog/top-10-tips-to-prevent-relapse/> Acesso em 26 nov. 2021.

Prévenir les risques d’usage de drogue. Disponível em: <https://www.maif.fr/associationsetcollectivites/etablissements-enseignement/guides-prevention/prevenir-usage-drogue.html> Acesso em 26. nov. 2021.

Acesse nosso site: www.interhelpinternacao.com.br 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.