Piromania: Sintomas, causas e tratamento

piromania

Públicado em: 14 de julho de 2022

Última Atualização em: 14 de julho de 2022

É provável que você já tenha ouvido falar no termo piromania. Porém, apesar de este termo ser muito usado em filmes e séries policiais, nós devemos dar uma atenção especial ao quadro. Afinal, o desejo e o fascínio de atear fogo em objetos pode ser bem perigoso. Por isso, o acompanhamento profissional é indispensável.

Pensando nesse cenário alarmante, reunimos, neste artigo, uma série de informações relevantes sobre o assunto. Caso você conheça alguém com sinais de piromania, ou esteja se enxergando nos sintomas aqui citados, não se auto diagnostique e jamais dispense a ajuda profissional. Lembre-se de que este conteúdo é de caráter informativo.

O que é piromania?

A piromania é um termo utilizado para descrever quadros de indivíduos que possuem um grande fascínio por atear fogo nos mais diversos tipos de objetos ou iniciar incêndios, mesmo que pequenos. Trata-se de uma questão psicológica que exige atenção profissional, uma vez que o desejo por atear fogo pode provocar uma “impulsividade” no sujeito. Isto é, esse desejo faz com que ele inicie pequenos incêndios sem conseguir se controlar de fato. O desejo “fala mais alto”, colocando em risco a vida do indivíduo e de outras pessoas.

Assim, podemos dizer que a piromania caracteriza-se como um distúrbio mental de classe impulsiva. Isto é, o sujeito pode ter uma grande dificuldade de resistir aos seus desejos – neste caso, de atear fogo em objetos ou iniciar incêndios. O indivíduo demonstra sentir um grande prazer em atear fogo, planejar o ato e colocar em prática cada etapa prévia do incêndio.

Quais os sintomas de quem tem piromania?

É importante ter em mente que o piromaníaco não necessariamente irá colocar fogo em tudo o que vir pela frente. Esse comportamento não acontece o tempo todo, 24 horas por dia. Podem existir intervalos entre uma ação e outra, e isso, inclusive, pode dificultar o diagnóstico – especialmente se ninguém perceber a ação do sujeito.

No entanto, alguns sintomas podem ser percebidos com o passar do tempo, como por exemplo:

  • Desejo incontrolável por atear fogo em objetos ou iniciar incêndios em terrenos, imóveis, etc.
  • Sensação de prazer ao observar o fogo.
  • Fascínio pelas chamas ou por isqueiros, fósforos, velas, etc.
  • Interesse desproporcional por crimes de incêndio.
  • Sentimento de culpa ou vergonha depois de atear fogo em algo.
  • Tensão e/ou excitação antes de atear fogo em algo.
  • Sensação de alívio depois de atear fogo.
  • Curiosidade e interesse pelo fogo e seu contexto situacional, como equipamentos, usos e consequências.
  • Prazer em testemunhar incêndios.

Vale ressaltar que essa impulsividade, desejo e prazer não têm uma motivação “externa”, podemos assim dizer. Isto é, o sujeito não inicia um incêndio para causar prejuízos monetários, protestar, encobrir um crime, etc. O fogo é provocado, justamente, pelo fato de o sujeito ter prazer nas chamas, no fogo e em suas consequências.

Quais as causas da piromania?

Ainda não existem dados que possam apontar, com clareza, quais as causas da piromania. Porém, acredita-se que se trata de um distúrbio multifatorial, que pode ter relação com hereditariedade, contexto social, fatores estressores, etc. Isto é, o problema pode surgir por uma série de questões, e as causas podem ser divergentes entre um sujeito e outro, devido às singularidades, história de vida, etc.

De todo modo, é muito importante procurar um profissional da saúde mental para analisar o caso e compreender quais podem ser os gatilhos da situação, bem como lidar com a impulsividade visando mais segurança e qualidade de vida para o sujeito.

Quais os tratamentos para piromania?

No caso de indivíduos diagnosticados com piromania, os tratamentos que costumam apresentar resultados promissores associam a psicoterapia com a farmacologia. Abaixo damos mais detalhes:

Psicoterapia

O acompanhamento psicoterapêutico, feito pelo psicólogo, pode auxiliar o indivíduo a compreender melhor os seus gatilhos, sua impulsividade e seus desejos internos. Assim, é possível encontrar caminhos para ressignificar o que cada situação representa para o sujeito, buscando um equilíbrio emocional mais saudável.

Além disso, as angústias, medos e dúvidas também poderão ser trabalhadas durante as sessões. Dessa forma, o indivíduo passa a ter cada vez mais consciência de si mesmo, desenvolvendo a possibilidade de ter mais autocontrole, autoconhecimento etc.

As situações traumáticas e estressoras que possam estar envolvidas com o comportamento de atear fogo também podem ser tratadas, sendo vistas por uma outra ótica e viabilizando a elaboração desses acontecimentos. Tudo sempre levando em conta a singularidade, os limites e o tempo de cada paciente.

Fármacos prescritos pelo médico

Os fármacos prescritos pelo médico psiquiatra também podem auxiliar no controle dos comportamentos impulsivos. Dessa forma, o desejo de atear fogo e os demais sintomas da piromania podem ser estabilizados, visando um maior autocontrole por parte do indivíduo. Consequentemente, esse autocontrole pode proporcionar mais confiança, bem-estar e qualidade de vida.

Um piromaníaco pode ser internado?

O comportamento impulsivo do piromaníaco, em alguns casos, pode colocar indivíduos em risco. Afinal, atear fogo em imóveis pode ser extremamente perigoso. Assim sendo, quando o indivíduo demonstra não conseguir controlar os seus impulsos, apresentando um risco para si ou para terceiros, a internação pode vir a ser necessária.

De todo modo, cabe ao profissional médico avaliar a necessidade de internação. Caso ela seja feita, o sujeito receberá um tratamento multidisciplinar na clínica psiquiátrica, até diminuir os seus sintomas e voltar à sociedade de forma mais equilibrada. Porém, o tempo de internação é variável, pois como estamos tratando de saúde mental, sempre temos que ter em mente que cada caso será único.

Conclusão

A piromania demonstra ser um quadro que necessita de um olhar atento por parte das autoridades e dos profissionais da saúde. Afinal, a impulsividade e o desejo de atear fogo pode provocar riscos para o sujeito e a sociedade como um todo. Em alguns casos, a internação pode ser interessante, especialmente quando o sujeito estiver com os sintomas incontroláveis.

Se você conhece alguém que apresenta os sintomas de piromania, ou você se enxerga nesse quadro, não diagnostique sem antes conversar com um profissional capacitado. Para encontrar uma clínica psiquiátrica perto de você, entre em contato conosco!

Referências

Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5 – 5ª Edição. Disponível em: <https://dislex.co.pt/images/pdfs/DSM_V.pdf> Acesso em 14 jul. 2022.

A piromania é um distúrbio mental? Disponível em: <https://www.vittude.com/blog/piromania-e-disturbio-mental/> Acesso em 14 jul. 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.