Adicção ou adicto:15 informações que você precisa saber

O que é Adicção?

Públicado em: 13 de abril de 2020

Última Atualização em: 18 de outubro de 2021

A adicção é uma atração dolorosa ou dependência de substâncias entorpecentes usadas de várias maneiras (deglutição, inalação, injeção intravenosa), a fim de alcançar uma condição estupefata ou aliviar a dor.

Adicto significado: Que se apega ou se torna submisso a algo ou dependente de algo. 

Conteúdo que será abordado:

  1. O que é ser adicto?
  2. Qual a personalidade de um adicto?
  3. Adicção segundo a OMS
  4. Adição e psicanálise
  5. Significado adicto na psicologia
  6. Como ocorre a adicção?
  7. Mensagem para um adicto em recuperação
  8. Afinal, a adicção tem cura?
  9. Mensagem para um adicto em recuperação
  10. Afinal, a adicção tem cura?
  11. Como funciona o tratamento de adicção?
  12. Como lidar com um adicto?
  13. Quais são os diferentes tipos de adicção?
  14. Como funciona a mente de um adicto?
  15. Qual o comportamento de um adicto?

Conteúdo relacionado: Como ajudar um dependente químico: 20 dicas importantes

O que é ser adicto?

Ser adicto é ser dependente quimicamente de alguma droga ilícita ou lícita. Além disso, a adicção também pode aparecer em diversos outros contextos, como em relacionamentos, por exemplo.

Qual a personalidade de um adicto?

Personalidade de um adicto: Uma pessoa adicta apresenta um grande desespero e demonstra sentir-se extremamente ameaçada de ser abandonada pelo outro, ou então, demonstra receio de perder a chance de consumir a droga que lhe causou dependência química. 

Adicção OMS

A Organização Mundial da Saúde classifica a adicção como uma “Síndrome da Dependência”, fazendo com que o adicto dê prioridade à substância, acima de qualquer coisa.

Adição e psicanálise

Segundo a psicanálise, a adição pode ser percebida como uma forma de paixão, assim como esta paixão pode ser vista como um vício amoroso ou amor viciado. 

Significado adicto psicologia

Em resumo, o adicto é uma pessoa dependente de algo. Costumeiramente este termo é atribuído à pessoas com dependência química de drogas ilícitas. 

Como ocorre a adicção?

Na medida em que a dependência de determinada substância é estabelecida na vida do sujeito, ele passa a desejar cada vez mais a mesma.

Isso porque o próprio cérebro passa a necessitar das doses para manter o seu equilíbrio e não cair na abstinência. Com isso, quando o sujeito se dá conta, a droga passou a ser sua prioridade, tornando-o adicto.

Entenda quais são os sintomas da adicção

Dentre os sintomas de adicção, podemos citar:

  • Alterações no humor: Mudanças bruscas de humor, como irritabilidade e agressividade, além de ansiedade pelo desejo de consumir a droga.
  • Distúrbios alimentares e de sono: Toda a rotina passa a ser afetada pelo consumo da droga.
  • Paranoia: Comportamentos agressivos podem surgir facilmente pelo fato de o sujeito sentir-se o tempo todo perseguido.

Mensagem para um adicto em recuperação

Lembre-se que recomeçar é sempre possível, e que você não deve desistir no primeiro tropeço. Sempre há esperanças quando ainda existe o amor e a vida.

Afinal, a adicção tem cura?

A adicção é uma doença crônica, ou seja, não tem cura. No entanto, possui tratamento para manter a estabilidade do sujeito, impedindo novas recaídas.

Como funciona o tratamento de adicção?

A internação do sujeito é um ponto de partida interessante para tratar a adicção, pois, dessa forma, torna-se possível estabelecer uma rotina de desintoxicação, retomada das habilidades sociais e acompanhamento psicológico. 

Como lidar com um adicto?

Entenda que um adicto sofre de uma doença crônica e, dessa forma, precisa de ajuda, embora ele possa negar. Por isso, evite confrontos diretos e chantagens, buscando sempre alertá-lo de uma maneira discreta e aos poucos, conscientizando-o de suas condições e direcionando-o para o tratamento qualificado.

Quais são os diferentes tipos de adicção?

Cada tipo de adicção pode apresentar efeitos específicos. São elas:

  • Adicto alcoólico: O abandono de responsabilidades, a agressividade e a busca incessante por “encontros sociais” com álcool é evidente. Isto é, embora a bebida seja lícita e até mesmo incentivada, existe uma linha limite para o consumo. Quando este último passa a ser corriqueiro e uma verdadeira necessidade, podemos estar diante de uma adicção.
  • Adicto de cocaína: A busca por sensações diferentes e estimulantes pode levar o sujeito a consumir esta droga ilícita. No entanto, ela pode desencadear efeitos severos na saúde cardiovascular e neurológica, além de ser uma substância que causa dependência química rapidamente.
  • Adicto de crack: Ao consumir o crack, seu efeito passa em menos de cinco minutos, fazendo com que o sujeito queira consumi-lo cada vez mais, provocando a dependência química e, consequentemente, danos irreversíveis ao organismo.

Como funciona a mente de um adicto?

Em muitos casos, o adicto pode pensar que está sempre certo e com a razão, negando qualquer ajuda alheia. Por isso é necessário ter paciência com o sujeito.

Além disso, a necessidade de consumir a droga não pode ser controlada conscientemente e, portanto, não deve-se cobrar apenas a “força de vontade” do adicto. Mas sim, demonstrar suporte e sempre apresentar os melhores caminhos para ele.

Qual o comportamento de um adicto?

Os comportamentos já podem dar sinais da adicção devido às mudanças bruscas de humor, demonstrando irritabilidade e agressividade, por exemplo. Além de que o adicto demonstra sentimentos de perseguição e necessidade extrema de consumir a droga.

Adicção inclui duas formas de vício:

A dependência mental é uma condição do corpo caracterizada por uma necessidade patológica do uso de um medicamento ou substância química para evitar transtornos mentais ou desconforto decorrentes da cessação da substância que causou o vício, mas sem sintomas somáticos de abstinência.

A dependência física é uma condição caracterizada pelo desenvolvimento de sintomas de abstinência quando você para de tomar a substância que causou a dependência ou após a administração de seus antagonistas.

Adicção se desenvolve em 4 etapas:

Adicção: Etapa 1. Primeiras experiências

Esta etapa é caracterizada por:

  • Curiosidade natural, o desejo de “apenas tentar”;
  • Pesquisa ATIVA por novos tipos de “alta”;
  • Incapacidade de dizer “NÃO”;
  • Dificuldades em entender os próprios limites;
  • Cair sob a influência de vários mitos sobre produtos químicos;
  • Medo de ser rotulado como “ovelha negra” ou “maricas”;
  • Desejo inconsciente de escapar das complexidades da vida (ou consciente);
  • Desrespeito por si mesmo, pela vida de alguém;
  • O desejo de tornar sua vida interessante e gratificante;
  • Ignorância de como as drogas realmente agem na psique e no corpo humano.

Existem duas maneiras após os primeiros experimentos:

  • Pare de usar completamente (cerca de 50% das pessoas fazem exatamente isso).
  • Continue a usar, o que inevitavelmente leva à transição para a próxima etapa no desenvolvimento do vício.

Adicção: Etapa 2. Começa a gostar (período de uso “rosa”)

Esta etapa é caracterizada por:

  • Um desejo consciente de se drogar com drogas;
  • Use planejamento;
  • Procure desculpas razoáveis ​​para uso;
  • Procure uma empresa “adequada”;
  • As drogas se tornam um atributo necessário de diversão e relaxamento;
  • O medicamento começa a ser usado como:
  • Significa contra “complexos”,
  • A cura para o estresse
  • Forma de comunicação
  • Você pode notar o aumento da dose necessária para obter as sensações desejadas;
  • Uma “festa” especial está sendo formada – sua própria droga, sua própria música, estilo de roupas e humor.

adicção é uma doença viciante. Nesta fase, o corpo se acostuma a uma certa dose e requer mais. Lei da dose: Se uma pessoa continua usando drogas, passa de doses menores para maiores e de substâncias menos fortes para outras mais fortes. Se uma pessoa não para de beber, começa o próximo estágio do vício.

Adicção: Etapa 3. Surgem problemas (período de “negação”)

Esta etapa é caracterizada por:

  • Problemas de saúde (ressaca, abstinência, desconforto após comer, doenças infecciosas);
  • Perda de controle sobre o comportamento (lesões, violência, crime);
  • Ilegibilidade no sexo (doenças sexualmente transmissíveis, gravidez indesejada, problemas nos relacionamentos);
  • Escândalos familiares;
  • Problemas com estudo, trabalho;
  • Dificuldades financeiras (dívidas, venda de coisas em casa, busca constante de dinheiro);
  • Conflitos com amigos;
  • O principal círculo social é quem usa drogas;
  • Conflitos com a lei.

Nesta fase, surge a dependência física. Uma droga não traz o prazer desejado, mas é usada para trazer o corpo a um estado normal. Uma pessoa ainda não associa seus problemas ao uso de drogas. Problemas emergentes justificam o uso adicional. O uso causa novos problemas. Causa e efeito são revertidos.

Para parar de usá-lo por si só nesse estágio, é praticamente impossível, é necessária a ajuda de especialistas. O uso continuado necessariamente leva à transição para o próximo estágio do vício.

Adicção: Etapa 4. Este se torna o objetivo (“inferior”)

Esta etapa é caracterizada por:

  • Use por uma questão de uso;
  • Necessidade constante de drogas;
  • Uso das medidas mais extremas em busca de uma dose;
  • Destruição de valores morais;
  • Apatia e falta de vontade de viver, perda do sentido da existência;
  • Tentativas de suicídio;
  • Problemas de saúde graves, a ocorrência de doenças crônicas;
  • Uma ruptura com a família, amigos, sociedade.

Nesta fase, profundas mudanças fisiológicas são observadas, o corpo é completamente dependente de drogas. O uso de substâncias se torna necessário para a existência.

O cérebro esqueceu como regular independentemente o equilíbrio neuroquímico e não pode perceber o mundo ao seu redor sem a próxima dose.

Acesse nosso site: www.interhelpinternacao.com.br 
FALE CONOSCO: 0800 500 9945

5/5 - (1 vote)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *