Dependência química tem cura? É uma doença?

dependência química tem cura

Públicado em: 26 de julho de 2022

Última Atualização em: 29 de julho de 2022

dependência química é considerada uma doença crônica e progressiva, que necessita de tratamento médico para que o indivíduo possa restabelecer a sua qualidade de vida e bem-estar. Isso porque a dependência pode provocar uma série de efeitos colaterais na saúde e na vida como um todo da pessoa, desencadeando doenças, efeitos colaterais, comportamentos impulsivos, etc.

Neste texto, trouxemos algumas considerações que podem ser relevantes sobre o assunto. Lembrando que este conteúdo é de caráter informativo, e em caso de dúvidas você deve conversar com o seu médico de confiança.

O que é dependência química? A dependência química é uma doença?

A dependência química é considerada uma doença médica crônica e progressiva, que não tem cura, mas é tratável. De acordo com este estudo, também pode ser vista como um estado mental e físico, que resulta da interação que ocorre entre um organismo vivo (o indivíduo) e uma substância (a droga). Esse consumo pode acontecer com o objetivo de gerar um efeito psíquico específico, e/ou para suprir o desconforto provocado pela ausência da droga.

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-IV, a dependência química apresenta um conjunto de sintomas cognitivos, comportamentais e fisiológicos que tornam evidente o quanto o sujeito continua consumindo determinada substância, mesmo que saiba dos problemas relacionados a esta. Assim, a dependência aparece quando há essa autoadministração repetida que, inclusive, pode levar à tolerância, ao aumento do consumo, à abstinência na ausência do consumo e, consequentemente, comportamentos compulsivos para consumir determinado entorpecente (PRATTA e SANTOS, 2009).

A dependência química tem cura? É possível alguém se cura da dependência química?

Por ser classificada mundialmente como uma um transtorno psiquiátrico, sendo considerada uma doença crônica e progressiva, a dependência química não apresenta uma cura. No entanto, isso não significa que não haja tratamentos adequados para quadros de dependência química. Isto é, a doença é crônica, mas pode receber tratamentos alinhados às necessidades do sujeito, visando mais qualidade de vida e saúde.

Além disso, é por meio do tratamento que a desintoxicação acontece, abrindo caminhos para a prevenção de outras doenças que possam estar associadas ao consumo de droga. Assim sendo, não é possível que alguém se cure 100% da dependência química, mas existem tratamentos que podem recuperar o indivíduo para que esse restaure o seu equilíbrio interno, seja emocionalmente, seja com relação às funções do próprio organismo.

Outra informação que cabe aqui é com relação à como a Organização Mundial da Saúde vê a dependência química: além de enxergá-la como uma doença médica crônica, ela também pode ser caracterizada como um problema social. Isso se deve ao fato de que as questões provenientes do consumo de drogas impacta a sociedade como um todo.

Como é o diagnóstico da dependência química?

O diagnóstico da dependência química exige uma série de avaliações e análises feitas pelo médico. Isso porque o consumo de droga, nos dias atuais, é bastante diverso. Além disso, os sintomas podem ser distintos, considerando o consumo do entorpecente em questão. Assim sendo, exames e análises clínicas são passos relevantes para o diagnóstico do problema.

Onde encontrar tratamento para dependência química?

Atualmente o tratamento para dependência química é oferecido, por exemplo, em clínicas de reabilitação. Essas clínicas contam com um conjunto de profissionais multidisciplinares, que têm como objetivo oferecer o suporte para o indivíduo nas mais diversas esferas da sua vida. É o caso de clínicas que contam com psicólogos, psiquiatras, terapeutas ocupacionais, enfermeiras, médicos, etc.

Esse tipo de tratamento visa auxiliar o indivíduo em três passos relevantes:

  1. Desintoxicação: O processo de desintoxicação tem como objetivo “limpar” o organismo do sujeito, oferecendo a ele mais saúde nesse sentido. Essa etapa pode ser dolorosa, mas é essencial para elevar as chances de recuperação.
  2. Conscientização: Além de interromper o consumo da droga, o indivíduo também recebe todo um suporte para lidar com as questões relacionadas ao consumo. Ele pode entender as suas vulnerabilidades, gatilhos envolvidos com o consumo, efeitos colaterais desse consumo, etc. Essa conscientização visa prepará-lo para o retorno à sociedade.
  3. Ressocialização: Por meio de uma série de técnicas e acompanhamento psicológico, o indivíduo busca o resgate de suas habilidades sociais, com o intuito de retomar uma vida mais saudável, equilibrada e sóbria. Esse “retomar” pode estar relacionado com o objetivo de tentar restaurar a rotina que tinha antes do consumo, como também pode estar associada a novos estilos de vida saudáveis.

A Interhelp Internação pode lhe auxiliar no processo de tratamento para dependência química. Entre em contato conosco para que possamos lhe dar o suporte nesse sentido.

Qual o papel da família no tratamento da dependência química?

A família também tem um papel importante no tratamento da dependência química. Por meio dela o sujeito dependente pode receber apoio, carinho, acolhimento e compreensão. Tudo isso pode ser usado como base para manter a motivação em busca da reabilitação, durante todo o tratamento.

É no seio familiar que o sujeito pode encontrar as motivações e suportes necessários para atravessar situações que sejam dolorosas (como a abstinência). Além disso, a paciência dos familiares pode ser relevante quando o sujeito sente que não está “saindo do lugar” ou evoluindo no processo de recuperação.

Por isso, oferecer uma escuta genuína, demonstrar o cuidado e o apoio são peças que podem mudar a vida de uma pessoa dependente.

Conclusão

Sobre a pergunta inicial se “dependência química tem cura”, a resposta que encontramos, na ciência e nos estudos buscados, é que não há uma cura, mas há tratamento. Isso decorre do fato de que a dependência química é considerada uma doença crônica e progressiva. Porém, isso não extingue a possibilidade de o sujeito se reabilitar e ter mais qualidade de vida na sua rotina.

Afinal, o tratamento e a internação para desintoxicação podem auxiliar na recuperação e no fortalecimento do autocontrole, relacionado ao consumo da droga, por exemplo. Por isso, buscar a ajuda profissional é um passo relevante e que pode fazer a diferença na vida de muitas pessoas. Se você busca por um suporte nesse sentido, entre em contato com a nossa equipe de especialistas!

Estamos à disposição para lhe ajudar no que for possível.

Referências

O processo saúde-doença e a dependência química: interfaces e evolução. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/ptp/a/fvMV4H47vTXFg9GxxXS4dtb> Acesso em 29 jul. 2022.

Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5 – 5ª Edição. Disponível em: <https://dislex.co.pt/images/pdfs/DSM_V.pdf> Acesso em 29 jul. 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.