Vício em remédios: sinais e tratamento da dependência química

Vício em remédios.

Públicado em: 18 de fevereiro de 2022

Última Atualização em: 18 de fevereiro de 2022

Você já ouviu falar em vício em remédios? Se ainda não, este é um bom momento para discutir esse assunto! 

Neste texto, unimos as principais dúvidas sobre o tema e trouxemos tudo para você acompanhar. Confira!

O que é dependência medicamentosa?

A dependência medicamentosa nada mais é do que um tipo de dependência química que gera um impulso no indivíduo, fazendo com que este deseje o consumo do medicamento e, em sua ausência, viva episódios de abstinência, por exemplo.

Uma pessoa que tem dependência medicamentosa utiliza o remédio para obter prazer, bem-estar, etc. Ou seja, o objetivo é mudar o estado inicial em que se encontra, desencadeando uma sensação não medicinal no organismo. Em outras palavras, a pessoa não consome o medicamento para tratar uma doença, mas sim, para sentir as sensações que o medicamento provoca.

Só que à medida que a pessoa consome essa medicação de maneira indiscriminada, ela passa a ter cada vez mais tolerância às substâncias ali presentes. Assim, com o passar do tempo, acaba aumentando as dosagens até “viciar”, quimicamente, o cérebro e o organismo como um todo.

O que é considerado vício em remédios?

É considerado vício em remédios a atitude de consumir, cada vez mais, os medicamentos que não necessariamente são prescritos pelo médico. O indivíduo sente uma necessidade intensa de consumir o remédio, ingerindo-o sem nenhum tipo de cuidado e controle.

vício em remédios
Vício em remédios.

Quando está longe dos medicamentos, sente dificuldade para dormir, pode ter mal-estar e outros sintomas de abstinência.

Além disso, o medicamento provoca mudanças no organismo, fazendo com que a sua ingestão tenha que ser cada vez maior e mais frequente, tornando o sujeito refém desse consumo.

O que gera a dependência de medicamentos?

A dependência de medicamentos está associada aos efeitos que o remédio provoca no organismo. Para ficar mais compreensível, veja o exemplo:

Imagine uma pessoa que sente dores nas costas. Para curá-la, ela busca ajuda de um médico que prescreve um analgésico. Assim que o indivíduo passa a ingerir o analgésico, sente uma sensação de bem-estar e até leveza, provocado pelo medicamento.

Só que ao invés de continuar com o tratamento prescrito pelo médico, esse indivíduo passa a consumir o analgésico sem nenhum tipo de controle. Aumenta a dosagem diária, justamente para se sentir bem, confortável e sem nenhum tipo de dor nas costas.

Mas, quando ele se dá conta, o remédio já está sendo ingerido muitas vezes ao longo do dia, a ponto de o seu organismo se tornar tolerante e fazendo-o aumentar a dosagem. Ao aumentar, o organismo vai “se acostumando” com a ideia de ter o analgésico dentro dos seus sistemas e, quando o sujeito não ingere o remédio, o corpo sente pois está desequilibrado.

Esse desequilíbrio pode provocar o aumento do desejo de consumir a droga (medicamento); crises de abstinência; mal-estar geral; etc.

Afinal, lembre-se de que os medicamentos também são drogas.

Vício em remédios para dormir: Quais os riscos?

Infelizmente, muitas pessoas têm vício em remédios para dormir e nem se dão conta disso. A cultura de automedicação ainda é muito forte em nossa sociedade, e isso faz com que as pessoas acabem ingerindo remédios para dormir sem nenhum tipo de acompanhamento médico. 

Por isso, quando pensamos nos riscos, podemos destacar os seguintes:

  • O corpo desenvolve tolerância/resistência, fazendo com que o sujeito tenha que consumir cada vez mais remédio.
  • Pode causar a “insônia rebote”, que é quando a pessoa não consegue dormir com qualidade quando não está sob efeito do remédio.
  • Pode provocar episódios de sonambulismo, colocando em risco a saúde do indivíduo.
  • Causa sonolência em momentos inadequados, atrapalhando a rotina do sujeito.
  • Os reflexos ficam mais lentos, assim como a capacidade cognitiva pode ser afetada.
  • Desencadeia a dependência química.

Que medicamentos causam dependência química? Quais remédios podem viciar?

São diversos os remédios que viciam e causam dependência. No entanto, listamos os que são mais conhecidos e recorrentes:

  • Benzodiazepínicos e barbitúricos, conhecidos como calmantes.
  • Analgésicos de forma geral. Inclusive, a nível de curiosidade, Michael Jackson faleceu de overdose de analgésico.
  • Remédios de uso comum, como dipirona, paracetamol, AAS, etc.
Vício em remédios.
Vício em remédios.

Quais os sintomas de quem é viciada em remédio?

Alguns sintomas podem ser observados em uma pessoa viciada em remédio. Veja alguns deles logo abaixo:

1. Necessidade de aumentar o consumo do remédio

Como mencionamos anteriormente, o organismo passa a se tornar tolerante ao consumo do medicamento. Isso faz com que o sujeito tenha que aumentar a sua dose, ingerindo quantidades cada vez maiores de substâncias químicas.

2. Ansiedade ou irritação quando não pode consumir o medicamento

A pessoa viciada em remédios pode demonstrar uma certa ansiedade ou até mesmo irritabilidade quando não consegue consumir o medicamento. Esses comportamentos/sentimentos mudam automaticamente quando ela consome o remédio.

3. A pessoa só se sente bem ou só consegue dormir quando consome o medicamento

O bem-estar do indivíduo se resume à ingestão do medicamento. No caso de vícios em remédios para dormir, a pessoa só sente que dorme bem quando ingere um comprimido. Caso contrário, sofre de insônia ou noite mal dormida.

4. Tem episódios de abstinência

As crises de abstinência também podem ser um dos sintomas da dependência em medicamentos. Afinal, o corpo sente a ausência do remédio e isso pode desencadear uma série de sintomas negativos, como ansiedade, tontura, náusea, vômito, mal-estar geral, etc.

5. A ingestão de medicamento é indiscriminada e sem prescrição

A ingestão do medicamento acontece sem nenhum tipo de controle. O indivíduo não dá atenção aos horários e tampouco às dosagens.

6. A pessoa é extremamente adepta à automedicação

Uma pessoa que sofre com vício em remédios, costumeiramente, pode apresentar certo comportamento relacionado à automedicação. Afinal, o consumo é indiscriminado e sem acompanhamento médico, ou seja, caracteriza-se como automedicação.

7. Os comportamentos do indivíduo mudam quando este não está sob efeito do remédio

Ao ingerir uma dose elevada do remédio, a pessoa se sente bem, tranquila e aliviada. Ou seja, ela sente que está “tudo sob controle” e o bem-estar é revivido por meio do consumo do remédio – mesmo sem necessidades médicas para isso.

Como saber se sou dependente de remédio? Como saber se tenho vício em remédios?

Uma pessoa viciada em remédio pode apresentar os sintomas que apresentamos acima. No entanto, se você desconfia que está viciado em medicamentos, converse com um médico psiquiatra. Ele poderá lhe ajudar no seu diagnóstico – caso exista.

Como acabar com a dependência de remédios?

É preciso buscar ajuda especializada. Por meio dela você receberá um tratamento multidisciplinar, e assim, poderá ter todo o amparo necessário para atravessar esse momento delicado.

Você será submetido ao processo de desintoxicação, conscientização e ressocialização. Tudo visando a sua qualidade de vida, saúde e bem-estar, através de atendimento psiquiátrico e psicológico, por exemplo.

Para isso, entre em contato com a Interhelp Internação e saiba mais sobre as clínicas de recuperação perto de você. Estamos à disposição para ajudar você!

Efeitos do vício em remédios

Infelizmente, os efeitos desse tipo de consumo podem ser bem perigosos. Podemos citar alguns deles:

  • Problemas cognitivos;
  • Interação entre medicamentos, anulando o efeito de remédios que são importantes para o sujeito;
  • Falência de órgãos;
  • Doenças diversas, por sobrecarga do organismo;
  • Intoxicação;
  • Overdose e morte.

Como tratar pessoa viciada em remédios? Internação para quem tem vício em remédios

É possível recorrer à internação de uma pessoa que sofre com vício em remédios. A internação pode ser voluntária, involuntária ou compulsória.

Na clínica, o sujeito receberá acompanhamento médico e psicológico para atravessar o processo de desintoxicação com mais segurança, amparo e qualidade de vida.

Se você busca uma clínica qualificada, conte com a ajuda da Interhelp Internação!

Nossa equipe está pronta para atender você e tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto.

Referências de vício em remédios

Chemical dependency. Disponível em: <https://www.britannica.com/science/chemical-dependency> Acesso em 18 fev. 2022.

Viciados em remédios. Disponível em: <https://super.abril.com.br/saude/viciados-em-remedios/> Acesso em 18 fev. 2022.

Revisado por Camila Bonatti: Psicóloga (CRP12/17354)

Dúvidas? Para saber mais, entre em contato conosco.
Acesse nosso site: www.interhelpinternacao.com.br 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.